domingo, julho 14, 2024
Investimentos

Fundo Garantidor de Crédito – o que é FGC e o que ele garante

Você fica mais tranquilo quando investe em algum produto que tem a informação: garantido pelo FGC? Eu tenho quase certeza que sim, mas também sei que muita gente não tem a menor ideia do que seja FGC Fundo Garantidor de Créditos. O post de hoje é para esclarecer as suas dúvidas, quais produtos são garantidos e te contar o que eu acho de confiar cegamente em qualquer coisa que tenha essa garantia.

Vamos lá!

Fundo Garantidor de Crédito FGC – o que é

Quando a gente lê Fundo Garantidor de Crédito parece que a função dele já está bem clara, mas tem alguns pontos que eu acho importante mencionar.

O primeiro deles é que o FGC não é uma instituição pública. O governo não tem nada a ver com a garantia que ele oferece, como algumas pessoas podem pensar. O FGC foi criado pelas próprias instituições financeiras e é uma entidade sem fins lucrativos. 

Ele surgiu lá na década de 90 quando havia muita instabilidade no sistema financeiro, o que quer dizer que ninguém sabia muito bem o que ia acontecer no futuro e se algum banco ia, ou não, quebrar.

Diante dessa grande incerteza foi autorizada a criação desse Fundo, para que nós, os correntistas e investidores, ficássemos um pouco mais tranquilos com relação ao dinheiro que a gente colocava nos bancos.

O que o FGC cobre? O FGC cobre quais investimentos?

O Fundo Garantidor de Crédito basicamente garante o dinheiro que você tem no banco, mas não são todas as operações. Estão garantidos os depósitos a vista, que são a sua conta corrente; a poupança; as letras, de câmbio (LC), hipotecárias (LH), do agronegócio e imobiliário (LCA e LCI); os depósitos a prazo, CDBs e RDBs e algumas operações mais incomuns para a maioria de nós, como conta para registro de fluxo de pagamento de salários e operações compromissadas. 

Nem perca muito tempo tentando entender as duas últimas, porque o que realmente importa pra gente são as primeiras operações. 

Perceba que os fundos de investimento não são cobertos pelo FGC, porém o dinheiro que você coloca nesses fundos fica separado do dinheiro do banco, o que é uma forma de proteção. O banco não vai usar o seu dinheiro de um fundo para emprestar para alguém. A rentabilidade dele será através de taxas de administração.

99 pay, Mercado Pago, Agibank, Pic Pay têm FGC?

Como o FGC é uma garantia a mais para o investidor, quando aquele produto em que você estiver investindo contar com essa proteção é bem provável que a instituição financeira vá deixar isso bem claro, pois seria um incentivo a mais para você investir, concorda?

O que acontece é que muitas dessas instituições têm contas remuneradas que não são consideradas depósitos a vista, ou seja, uma conta corrente. Muitas vezes as contas são contas de pagamento e contas de pagamento não tem garantia do Fundo Garantidor de Crédito. 

Das instituições que eu mencionei aqui, apenas o Agibank é um banco hoje (outubro de 2022), então o valor deixado na conta desse banco é garantido. 99 pay, Mercado Pago e Pic Pay ainda não contam com essa proteção na conta pagamento, mas caso emitam algum tipo de depósito a prazo é bem provável que tenham FGC. 

Como eu disse, quando houver a proteção, eles vão alardear isso aos quatro cantos, já que é um incentivo a mais pra você colocar o seu dinheiro ali.

Se restar alguma dúvida de qual banco tem FGC você pode conferir aqui quais são as instituições que fazem parte dessa associação.

Qual o limite do FGC? O FGC é por CPF ou por instituição?

Ok, agora que eu já entendi quais são os investimentos que o FGC assegura e que as contas de pagamento não fazem parte desse clube, até qual valor eu estarei protegido?

Existem dois números que você precisa saber: R$ 250 mil por instituição e R$ 1 milhão a cada 4 anos.

Agora vamos entender melhor o que isso significa. Nós fizemos direitinho o nosso orçamento e plano de investimentos e chegamos ao valor mágico de R$ 1 milhão de reais investido apenas nos produtos que têm a cobertura do FGC. Somos milionários da Renda Fixa.

O problema é que a gente deu bobeira e escolheu colocar todo nosso dinheiro em um banco que quebrou e precisaremos acionar a cobertura do FGC. Vamos receber todo o dinheiro? Não!!! A gente só vai receber até o limite por instituição. Que é de R$ 250 mil.

E se eu tivesse colocado em quatro instituições diferentes, R$ 250 mil em cada uma e tivesse dado o azar de todas elas quebrarem. Eu receberia todo o meu dinheiro? Nesse caso sim. Você receberia de novo o seu R$ 1 milhão, mas ficaria 4 anos sem poder acionar o FGC.

E se eu tiver uma conta conjunta, como é que esse cálculo funciona? Quando existe conta conjunta o cálculo é feito por conta na instituição e não por CPF. Vamos supor que você tivesse R$ 300 mil reais em uma conta conjunta e o banco que investiu quebrou. Pode parecer que cada um dos titulares da conta receberia R$ 150 mil, certo? Errado. Se cada um dos titulares recebesse esse valor o limite de R$ 250 mil por conta na instituição seria ultrapassado. O que vai acontecer é que eles vão pagar o valor máximo de R$ 250 mil, sendo R$ 125 mil para cada titular.

Já se você tiver uma conta conjunta com uma pessoa e outra conta conjunta, com outra pessoa, mas na mesma instituição financeira, você pode receber das duas contas, desde que não ultrapasse o valor de R$ 250 mil por conta na instituição, por instituição ou por CPF? 

Como eu faço para receber esse valor? 

Para receber o seu dinheiro, caso ocorra algum problema com o banco onde você investiu você não precisa se desesperar. Após a intervenção do Banco Central, uma outra instituição ficará encarregada de fazer a lista de quem tem direito a receber e enviar para o FGC. 

Depois disso o FGC vai definir um banco para realizar o pagamento e você, caso tenha direito a receber esse dinheiro, deverá acompanhar no site do FGC as informações sobre o pagamento, que estão disponíveis nesse link.

É comum precisar usar o FGC? 

Eu também tinha essa dúvida. Fala-se tanto de Fundo Garantidor de Crédito que eu imaginava que a necessidade de utilização do FGC era maior do que realmente é. Felizmente!

Olhando as estatísticas do site, 38 bancos precisaram da intervenção do Banco Central e seus investidores receberam a garantia do FGC. Levando em consideração que o FGC surgiu em 1996 são 38 bancos em 26 anos, ou seja, quase um banco e meio por ano. Não parece ser muita coisa, mas não é por isso que a gente precisa descuidar da análise prévia de onde investir. Eu já falei um pouco sobre isso nesse post aqui CDB  

Não é porque eu tenho seguro do carro que não vou desviar dos postes né?

Curiosidades no site do FGC

Pra fechar esse post eu preciso compartilhar com vocês algumas coisas que eu descobri fuçando o site do FGC. A primeira delas é que o nome correto é Fundo Garantidor de Créditos, com S no final, o que muita gente ignora. Inclusive eu nesse post.

Mas o que mais me deixou boquiaberta foi a descoberta do tanto de milionários que ainda deixa o seu dinheiro na poupança.

Todo mês o FGC emite um relatório com os saldos por produto. O último resumo disponível é do mês de Agosto. São 23.267 contas poupança com saldo de mais de R$ 1 milhão. A soma total dessas poupanças é de R$ 52.470.576.944,00. Conseguiu ler direitinho esse número? São mais de 52 bilhões de reais.

Isso apenas prova que o comportamento, quando falamos de finanças, é mais importante que conhecimento. Se esse pessoal tivesse conhecimento, esse saldo estaria fora da poupança e seria muito maior.

Se você é um desses milionários pode me mandar um oi. Vamos conversar sobre investimentos!!

Um abraço e até logo

Bruna Odppes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *