domingo, julho 14, 2024
Planejamento Financeiro

Entenda a Renda Fixa

A Renda Fixa é a porta de entrada de muita gente no mundo dos investimentos. O nome Renda Fixa ajuda esse movimento, muita gente acha que vai receber um valor exato, mas você sabia que é possível até perder dinheiro caso você não tenha a mínima noção de onde está investindo o seu dinheiro? Mesmo na Renda Fixa?

Então vem comigo que eu vou ter explicar o que significa essa classe de ativos e te contar quais são as opções disponíveis pra você investir.

O que é Renda Fixa?

Renda Fixa é um empréstimo, muito parecido com aqueles que são fornecidos por bancos ou financeiras. Uma das diferenças é que o papel se inverte e o emprestador é você. Já tinha parado pra pensar nisso?

Quando você investe o seu dinheiro em algum CDB, por exemplo, ou em outro título de Renda Fixa, você está emprestando o seu dinheiro e cobrando juros por isso. O problema é que nós somos peixe pequeno e não conseguimos cobrar juros muito altos pelo nosso empréstimo, assim como somos cobrados quando estamos do outro lado desse contrato, pedindo dinheiro emprestado.

Por sermos a parte mais fraca desse cabo de guerra acabamos nos sujeitando a receber aquilo que estiverem dispostos a nos pagar.

E quem é que nos paga? Quem estiver precisando do dinheiro, ou seja, o governo, as instituições financeiras ou as empresas. Cada um deles tem produtos próprios, que oferecem características diferentes, portanto é muito importante saber quais são as condições de cada título antes de investir o seu dinheiro, pra não correr o risco de perder dinheiro quando precisar resgatar.

Títulos públicos do governo

Os primeiros títulos que eu vou comentar aqui são os títulos do governo. Quando você compra qualquer um dos Tesouros que estão disponíveis na Plataforma do Tesouro Direto você está emprestando dinheiro para o governo.

Esses títulos são que tem menor risco de crédito, ou seja, dentre os tomadores de dinheiro o governo é aquele que tem a menor chance de te dar um calote, pois ele detém o controle sobre a política monetária e literalmente pode imprimir dinheiro. Dizer que ele pode não quer dizer que ele deva. São coisas muito diferentes e a colocação de mais dinheiro na economia sem uma contrapartida de aumento da produção pode trazer graves consequências econômicas, como a inflação.

Mas voltando aos títulos, na Plataforma do Tesouro Direto você vai encontrar três tipos de títulos: o Tesouro Selic, o Tesouro Prefixado e o Tesouro IPCA+. Caso queira uma explicação mais profunda eu recomendo que você leia esse post aqui:  Tesouro Direto e os Títulos Públicos Federais.

Em resumo, o Tesouro Selic é aquele que você pode pensar em considerar para a sua reserva de emergência, pois ele tem a sua taxa de juros vinculada a Taxa Selic e com isso tem uma influência pequena de Marcação a Mercado, que significa que a chance de você resgatar menos do que investiu é baixa.

Os outros dois títulos, por terem uma parcela prefixada considerável, sofrem Marcação a Mercado e você só tem garantia de resgate de um valor determinado na data de vencimento do título, que será informado na data da compra. Só é indicado comprar esses títulos caso você entenda da expectativa da curva de juros e Marcação a Mercado ou então se você for precisar efetuar o resgate apenas na data de vencimento, sem precisar antecipar.

Títulos de Renda Fixa bancos e financeiras

Passamos agora para as opções de Renda Fixa que são ofertadas pelas instituições financeiras. Esses provavelmente são os títulos que você mais está familiarizado. Sabe aquele CDB que tá pagando 110% do CDI? Então, ele é um empréstimo que você está dando pro banco e nem sabia.

A sopa de letrinhas aqui é grande: CDB, CDI, LCI, LCA e por aí vai. Mas calma, não tenha medo desse monte de coisa junta que eu vou te explicar o que cada um significa.

CDI

Vou começar com o CDI, que é o primo da taxa Selic. A sigla CDI significa Certificado de Depósito Interbancário. Você já deve ter percebido que a movimentação entre bancos é cada vez maior né? É gente mandando dinheiro de um lado pro outro, sacando e depositando a todo momento. Acontece que às vezes um banco pode ficar sem dinheiro no fim do dia, porque saiu mais dinheiro do que entrou, e o outro pode ficar com saldo positivo. Então esses bancos negociam empréstimos bem curtos um pro outro, prometendo pagar no outro dia.

E porque eu falei que o CDI é primo da Taxa Selic? Porque ele sempre vai estar bem próximo dela, geralmente 0,1 % abaixo. Então se a gente pensar que a taxa Selic hoje está em 12,75 % o CDI vai render aproximadamente 12,65 %.

CDB e LC

Mais um C por aqui, o CDB. Ele é um Certificado de Depósito Bancário, que nada mais é do que um empréstimo que o banco quer pegar com você, investidor. Como eu já falei aqui no começo desse post, nós somos o ele fraco dessa equação e por mais que a gente se torne o emprestador de dinheiro não temos força o suficiente para determinar a taxa de juros que vamos cobrar do banco.

É ele que vai nos dizer a taxa que pretende pagar e aí é nossa opção emprestar (investir) ou não. Se você já se aventurou no mundo dos CDBs deve ter percebido que os bancões geralmente tem as menores taxas. Por que isso acontece? Porque os bancos mais consolidados no mercado tem risco de crédito muito mais baixo que fintechs e novos bancos. Então eles se dão ao luxo de pagar menos porque você tem mais garantias de que vai receber aquele dinheiro. Eu já falei mais sobre risco nesse post aqui: Rentabilidade, risco e liquidez – avalie o tripé dos investimentos

LCI e LCA

Coloco as LCI e LCA no mesmo pacote pois são muito parecidas. LC significa Letra de Crédito e as letras I e A são de Imobiliário e Agrícola. Você vai me ouvir falar muito sobre empréstimos aqui na Renda Fixa, então esses títulos são empréstimos para as instituições financeiras e diferença é que eles tem destino certo.

As LCI são destinadas ao crédito de empreendimentos imobiliário e as LCA ao crédito agrícola. OK, e porque é que elas tem um nome diferente se também são empréstimos para bancos? Porque elas têm uma vantagem: não pagam imposto de renda. E também uma desvantagem: você pode resgatar apenas depois de 90 dias ou mais.

Quando você investe em LCI e LCA está ajudando a financiar tanto o mercado imobiliário quanto o agro no país e com isso o governo resolveu ser bonzinho com você e não te cobrar imposto por isso. Legal né? Não temos como saber se a isenção será eterna, mas podemos aproveitar enquanto ela existe.

Poupança

Eu nem deveria colocar a poupança aqui, porque da Renda Fixa ela sempre fica em último lugar, mas bora falar um pouco dela também. A poupança também não paga imposto de renda, mas o seu rendimento é tão pífio que isso nem se traduz em vantagem. Se quiser saber em detalhes eu conto a história triste da poupança aqui: Poupança é um bom investimento?

Mas se a LCI e a LCA tem um motivo para não pagar imposto de renda a poupança também tem? Sim. Os recursos aplicados na poupança são destinados ao crédito imobiliário. O banco pega o dinheiro que você emprestou pra ele na poupança e empresta para quem quer comprar uma casa.

Deixando o seu dinheiro na poupança você pode estar ajudando os outros, mas com certeza não está se ajudando.

Títulos de Renda Fixa das empresas

Por últimos nós chegamos aos títulos das instituições que não são financeiras, ou seja, as empresas em geral.

Quando uma empresa está precisando de dinheiro ela pode recorrer ao banco ou então pode lançar uma dívida para gente, investidores, comprar. Eu não vou me demorar muito em cada um dos tipos pois vocês vão perceber que eles são muito parecidos com o que os bancos oferecem, só mudam de nome. Outro motivo para não me estender aqui é que os títulos privados são de negociação difícil e eu não recomendo que você vá atrás deles a menos que saiba muito bem o que está fazendo. Então vamos lá:

CRI e CRA

Se você viu aqui uma relação com LCI e LCA acertou. A diferença é o nome que significa Certificado de Recebíveis Imobiliário ou do Agronegócio e quem emite, que são as empresas.

O resto segue a mesma linha, inclusive isenção de imposto de renda para pessoa física.

Debêntures

Eita nome difícil né? Mas adivinhem? Debêntures são os CDS emitidas por empresas. Simples assim.

Risco x Emissor na Renda Fixa

Agora que você já conhece os títulos de Renda Fixa precisa entender o risco de cada um deles, para poder comparar opções. O principal, quando falamos de emissor, é o risco de crédito. Risco de Crédito é a possibilidade de quem pegou dinheiro emprestado de você te dar um calote. Só com essa explicação você já consegue identificar quem é mais e menos arriscado?

Se você leu com atenção esse texto deve ter percebido que eu falei que os títulos do governo são os mais seguros. A chance de um governo quebrar é muito menor que uma empresa ou que um banco, certo? Então os títulos de menor risco são os do governo e por isso eles pagam menos (ou pelo menos deveria ser assim).

E entre empresas bancos, qual será o mais seguro? Nesse caso, o mais seguro é o banco, pois tem diversas regulações e também o suporte de garantia do FGC e intervenção do Banco Central. Bancos até podem quebrar, mas pra que isso aconteça o negócio deve estar indo muito mal. Já empresas que não são financeiras tem muito mais risco, pois não têm todo esse suporte dos bancos.

Seguindo essa lógica, a gente pode pensar que quanto mais risco, mais retorno eu devo ter. Então Renda Fixa de empresas devem pagar mais que Renda Fixa dos bancos, que por sua vez devem pagar mais que a Renda Fixa do governo. Isso serve para você poder comparar as rentabilidades. Se uma empresa vai te pagar menos que um banco você já descarta de vez. É mais risco por um retorno menor.


Já sabia tudo sobre Renda Fixa ou descobriu alguma novidade com esse post? Se ficou alguma dúvida ainda, deixa aqui nos comentários que eu vou adorar te responder.

Um abraço e até logo!

Bruna Odppes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *