domingo, julho 14, 2024
InvestimentosPlanejamento Financeiro

Rentabilidade, risco e liquidez – avalie o tripé dos investimentos

Eu tenho certeza que em algum momento da sua vida de investidor você já se deparou com essas três palavrinhas: Rentabilidade, Risco e Liquidez. Elas são bem compreensíveis, mas talvez você não tenha dado a devida importância que elas merecem. Por isso eu começo hoje uma série de três postagens com trios que eu acredito que são muito importantes na hora de investir. O primeiro deles é esse: Rentabilidade, Risco e Liquidez. O segundo é Aporte, Retorno (taxa de juros) e Tempo e o último é Aporte, Conhecimento e Comportamento.

Antes de fazer algum investimento todo mundo deveria analisar essas três coisas: Rentabilidade, Risco e Liquidez. Eles funcionam sempre em conjunto e quando você mexe em algum, os outros itens tem que ser ajustados. Funciona basicamente como um tripé, se uma perna está mais curta eu vou ter que mexer nas outras duas para achar um novo equilíbrio e deixar as coisas no prumo.

O problema é que as pessoas não sabem disso – ou então esquecem – e ficam tentadas a investir em algum produto olhando apenas o retorno. Não é isso que acontece? Então, já que todo mundo olha apenas a rentabilidade, vamos começar logo com ela.

Rentabilidade

A rentabilidade de um investimento é aquilo que você vai receber em troca de ter deixado o seu dinheiro investido. Em ativos de Renda Fixa esse retorno é conhecido (prefixado ou atrelado a algum índice) e em ativos de Renda Variável tudo pode acontecer.

E como eu vou avaliar o Retorno de um ativo? Você nunca vai definir se um ativo é bom ou não apenas pela rentabilidade, mas sem dúvida ele é um fator importante. E para saber se um retorno é vantajoso ou não a gente precisa de um comparativo, no caso do Brasil esse comparativo pode ser a Taxa Selic. Se você ainda não sabe o que é a Taxa Selic eu tenho um post só sobre ela aqui.

Quando falamos em Renda Fixa, comparar a taxa de juros que a gente vai receber com a Selic é muito simples. Se a taxa Selic está em 11,75% a.a. e um investimento vai me pagar 10% a.a. eu já posso perceber facilmente que ele não é um bom investimento. Isso porque existem o Tesouro Selic, que te paga a Taxa Selic, e vários CDBs e Fundos de Investimento que te garantem pelo menos 100% do CDI (que é um índice que acompanha muito de perto a Taxa Selic).

E se me prometem uma rentabilidade de 150% ou 200% do CDI? Posso investir também? Aí devemos tomar muito cuidado. Nesse caso o retorno não pode ser analisado de forma separada. Para descobrir se é ou não um bom investimento eu preciso obrigatoriamente olhar risco e liquidez para não fazer besteira.

Com relação a renda variável a comparação não é tão simples assim, porque não há garantias. Não tem como olhar uma lista e ver quanto cada ação está pagando, por exemplo. Na renda variável você pode perder dinheiro, mas também pode ter retornos que superam muitas vezes a taxa básica de juros. Rentabilidade passada não garante rentabilidade futura. Quem entra na renda variável sabe que a rentabilidade é incerta e que o risco é elevado.

Você também pode gostar de ler:
Como objetivos e valores te ajudam a guardar dinheiro
Investimento para menor de 18 anos – comece cedo

Risco

O Risco é aquela possibilidade de perder o dinheiro que você investiu. É por isso que quanto maior o risco de uma operação, maiores devem ser as probabilidades de um retorno maior. Você arriscaria colocar o seu dinheiro em um investimento onde você tivesse o risco de perder todo o seu dinheiro e que o valor máximo que você pudesse ganhar fosse o rendimento da poupança? Claro que não né? Porque se for pra ter rendimentos pequenos a gente escolhe os ativos de menor risco.

É por isso que você vai ouvir falar de prêmio de risco. É a diferença de rentabilidade que você pode ter caso tudo corra bem. Esse prêmio de risco geralmente é feito comparando o investimento com a Taxa Selic, a taxa básica de juros.

Existem diversos tipos de risco, mas eu vou te explicar três aqui, que eu acredito que sejam os mais importantes.

O primeiro deles é o risco de mercado que afeta de forma mais clara os ativos de bolsa de valores. Se você ainda não é um investidor de bolsa já deve ter ouvido na TV que as ações da empresa X subiram ou caíram. Esse é o risco de mercado, a volatilidade que os ativos vão ter de acordo com as expectativas de mercado.

Isso também acontece em Renda Fixa, com a alteração da taxa de juros. É a chamad Marcação a Mercado e basicamente o seu retorno vai aumentar ou diminuir dependendo da expectativa da taxa de juros. Se a taxa de juros tende a subir, o valor do título vai cair (e você pode inclusive perder dinheiro). Se a taxa de juros tende a cair, o valor do título vai aumentar e você pode ganhar mais do estava previsto.

Além do risco de mercado temos também que dar muita atenção para o risco de crédito. Para que você possa entender melhor vamos imaginar que você tem dois amigos. Um deles é todo certinho, tá sempre com as contas em dia e teve algum imprevisto que estava além da sua expectativa e preciso te pedir R$ 1000 emprestado. O outro amigo é um vida loka. Tá sempre na pindaíba, devendo pra todo mundo e nunca para em emprego nenhum. Esse segundo amigo também te pede dinheiro emprestado. Qual deles tem maior risco de crédito?

Com certeza o segundo né? Você vai avaliar com muito mais cautela a decisão de emprestar dinheiro pra esse amigo que não tem a menor ideia do que tá fazendo com a vida dele. E caso decida emprestar você vai cobrar dele uma quantia superior ao amigo certinho, porque você tem o risco de crédito, ou seja, o risco de nunca mais ver esse dinheiro.

Isso acontece com instituições financeiras também. Se elas estão pagando um valor muito superior ao mercado, faça um double-check pra entender onde é que você tá colocando o seu rico dinheirinho. Muitas vezes as empresas querem captar novos clientes ou então precisam com urgência daquele recurso. Aí oferecem taxas que fazem brilhar os olhinhos dos desavisados.

E o último risco é o risco de liquidez, mas eu vou falar mais disso no próximo item.

Liquidez

Liquidez é um nome bem esquisito né? Mas o conceito é bem simples: é a facilidade que você tem de transformar o seu investimento em dinheiro. Quanto mais líquido o investimento, mais fácil você vai conseguir se desfazer dele e ter o dinheiro disponível para usar com o que você quiser.

Um imóvel ainda é um investimento que algumas pessoas gostam, mas ele praticamente não tem liquidez. Isso acontece porque vender um imóvel não é a coisa mais fácil do mundo e talvez você até precise diminuir a sua rentabilidade, leia-se baixar o valor de venda, para conseguir vender mais rápido, ou seja, aumentar a sua liquidez.

Na outra ponta temos a poupança, que apesar de ser um péssimo investimento, é extremamente líquido. Com apenas um clique você pode sacar todo o dinheiro da poupança e transferir para sua conta corrente.

Antes de investir em alguma coisa lembre sempre de observar a data de resgate. Resgate imediato quer dizer que você pode tirar a qualquer momento, logo depois de investir. Se houver uma data de resgate futura, isso quer dizer que o seu dinheiro vai ficar travado e você não vai poder tirar antes do tempo.

E em casos de ativos negociados em bolsa de valores a liquidez pode ser determinada pelo mercado. Se o ativo que você comprou tem pouca negociação você pode tentar vender e não conseguir porque ninguém quer comprar. Esse é o risco de liquidez.

Sempre analise os três juntos – Rentabilidade, risco e liquidez

Agora que você já sabe o que significa cada um dos componentes desse trio não esqueça que qualquer investimento que você for fazer deve passar na sua checklist de Rentabilidade, Risco e Liquidez.

Retornos mais altos sempre terão maior risco ou menor liquidez. Retorno alto garantido, alta liquidez e baixo risco é história da carochinha, golpe, pega trouxa. Não caia nessa! Um dos lados desse tripé sempre vai estar desequilibrado. De qual dos lados você vai abrir mão vai depender muito da finalidade que você vai dar para aquele dinheiro.

Dinheiro que você precisa usar de um dia pro outro deve levar em conta a liquidez, que deve ser imediata.

Investimentos que você faz pra sua aposentadoria não precisam de alta liquidez e até podem ser mais arriscados, com isso a possibilidade de ganhos também aumenta.

Valores destinados para realizar sonhos, com prazo definido, podem até ter baixa liquidez, desde que o resgate seja anterior a data em que você vai utilizar o dinheiro. Nesses casos eu opto por um risco menor, mesmo que a rentabilidade seja também um pouco mais baixa.

Espero que esses conceitos tenham ficados claros pra você. Eles são muito úteis na hora de comparar investimentos e te livras de grandes furadas.

Um abraço e até logo!

Bruna Odppes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *